Arte


 Música!

É só clicar!


 



              Hoje ia colocar o João Eduardo (Meu neto) para dormir e resolvi cantar uma música para ele. Fui à instante e peguei um livro de uma Mariápolis que fui a Fortaleza há muito tempo atrás. Uma maravilhosa surpresa Deus me reservou para este momento a fim de aprovar a minha certeza de que Terezinha partiu em paz e sem ódio, pois durante a vida toda ela se preparava para este que é o mais belo encontro da nossa vida: a amplidão do amor, "Deus amor".


          Eu já tinha cantado e folheado este livro e não havia percebido este escrito. Acho que foi aqui, em Brasília, nos três meses que ela passou comigo que ela escreveu.  

            Como Terezinha se prepararou tambéns para seus últimos momentos!
            Estava escrito esta prece por Terezinha:

    Consagração das últimas horas da vida á Santíssima Virgem Maria

           Prostrada a vossos pés, humildemente pelas minhas faltas, porém, cheia de confiança em vós, ó Maria, suplico-vos que na hora de minha morte, façais por mim tudo o que vossa afeição sugerir. Consagro-vos, pois as duas últimas horas da vida, assisti-me naqueles instantes, para receberdes o meu último suspiro; e quando a morte cortar o fio da existência, dizei a Jesus apresentando minha alma: “Eu o amo”. Essa única palavra bastará para me alcançar às bênçãos de Deus a ventura de vos ver na eternidade!
              Confio em Ti.


              Roga por nós, Maria!







Hoje 28/12/2015 encontrei um cartão de Natal de Terezinha que no verso tinha este escrito de Chiara Lubich e partilho o que foi um presente para mim , neste momento:


O mundo é maravilhoso, fascinante e, ás vezes, perturbador e obscuro.
Mas existe um mundo infinitamente mais misterioso e atraente: é o nosso mundo interior, o céu que está dentro de nós. 
Chiara Lubich

Ontem domingo á tarde por alguns segundo bateu uma enorme saudade de Terezinha. Digo por alguns segundos porque procuro não paro na dor.
No mesmo instante conversei com Jesus. Dei pra Ele aquela dor esmagadora. E falei pra “ELE”:
“Por mim” você sofreu dor maior.
“Por mim”, por amor, você foi capaz de me proporcionar o próprio céu já aqui na terra doando-me o Espírito Santo. O Seu ser personificado.
                           Mesmo assim não consigo me libertar desta dor... E vinham as lágrimas.                          Lembrei-me desta meditação de Chiara: “Por mim”.Naquele místico de diálogo, lágrima e dor, escutei uma foz forte dentro de mim como se o próprio Jesus me dissesse:“Sou eu que te visito neste momento, desta forma. Nesta saudade”. E com alegria eu pude dizer sim. Sim Jesus, que bom que te encontro agora, assim. Com você fica tudo mais leve e eu posso doar agora tudo que está aqui e ficar somente com Sua divina e inefável presença. Até procurei o sinônimo de inefável... Indizível, inexprimível presença. Disse-lhe sim sem pretender ficar sem aquela dor. Porém, aceitar, ficar feliz. Era Deus que me visitava com mais ardor naquele momento.E assim continuei a minha leitura e depois me lancei nos afazeres com alegria, com esta companhia esplêndida.
No final da tarde encontrei um tercinho que era de Terezinha com um detalhe. Não tinha somente o crucifixo. Era um crucifixo e uma medalhinha. Comecei a rezar o terço e percebendo este detalhe entendi que era como uma resposta de Terezinha pra mim:
Já tinha se passado o dia e eu em nenhum momento fiquei apegada ao sentimento daquela dor doada... Esqueci-me até! Vivi o dia na normalidade amando quem estava perto. Sempre fora... Aquele tercinho chegar as minhas mãos era para mim a resposta visível de Terezinha para que eu siga feliz no amor... Aquele crucifixo representa o meu amor por Ele agora. Ele morreu “por mim”. Devo morrer a minha dor por amor a ELE em cada ser que passa. Devo viver “Por Ti”. Assim me torno outra Maria. E a medalhinha era Nossa Senhora das Graças. Assim, com o coração livre posso me tornar mais atenta a “graça” do momento presente. E também eu posso ser indulto, clemência, perdão, dispensa para cada irmão. Distribuidora de graças também por não parar nas minhas misérias nem na minha dor.
Obrigada meu Deus por ter confiado a Ti este momento e doaste todo a mim... Devo continuar como Chiara nos ensina: “A dor é minha. Ao irmão deve doar a luz”.
Só agora entendi... É que a dor ela doava pra Jesus.
E assim como hoje Ele me falou:
“Sou eu nesta sua dor” também para Chiara era assim. Ele próprio nos transforma n’ELE com a sua fortaleza, com o seu ESPÍRITO SANTO.
Obrigada meu Deus. “Seja feita a sua vontade assim na terra como no céu”.
flor1323

 


Frase do painel: escreveu quando estava trabalhando em Serra Branca -PB.


Se lutarmos haveremos de vencer! Venceremos!

  "Ah, é você?! 

   Um abração!"      

  "Papel aguenta tudo"  14/05/1995

                                      " Ser: Sim"!
                                         
                                           A alegria,
                                              a paz,
                                          a comunicação,
                                           a sabedoria,
                                          ao aconselhamento,
                                           ao amor de Deus ( para o semelhante),
                                          no momento presente...
                                                                                  18/06/1995

    Convivência em grupo

  1. Amar e compreender.
  2. Ser coerente consigo, com os outros e com o meio.
  3. Evitar o comodismo.
  4. Ser natural, simples e humilde.
  5. Tomar parte nas decisões do grupo.
  6. Assumir os compromissos estabelecidos pelo grupo.
  7. Manter a seriedade no trabalho.
  8. Ter um ideal comum.

 

Perfume dos devaneios criativos

                             ( Terezinha Pinheiro)






            

Na agenda TANTOS ESCRITOS doando sua alma atual.
Na capa da agenda telefônica ela escreveu:


            Nos jardins da vida, sou tão livre e feliz consigo mesma, com as pessoas e com Deus – como uma borboleta, uma flor que ainda perdura o encanto e ventura, apesar do tempo. (C. Grande maio de 2012).

Encontrei também:



           "Tudo aceito com amor. Que se faça tua vontade. Em tuas mãos me entrego em silêncio e paz."




Para Venech, colega da EMATER-PB.


Verneck, técnica e a realização cultural.
Extensão e literatura marcantes presente
Razões profundas do ser e do amor à
Natureza à terra aos valores da vida  
Em vida conclama declama à sua gente
Carreira das letras o gesto e o faz escritor
Ka entre nós, destaque da elite em Pombal.


Arte de escrever é subjetiva motivação
Bichão, parabéns pelos trabalhos literários.
Reitero respeito à tarefa de sistematizar
Ato e efeito de ler, ouvir e registrar constante.
Nordestino da raça convicto itinerário.
Todo poeta abstrai, constrói a cismar.
E Verneck é sinônimo dessa revelação
Simultaneamente é artista plástico mutante
              

Dedico a você os óculos dourados de Gandhi
Essencial identificação de desempenho dos clássicos
Ser dessa categoria não é qualquer brasileiro
Oscar Wilde Descartes Sócrates Indira,
Ulisses Dante Confúcio... É brincadeira respira
Zarpei! Amigo como você é para a vida inteira
Abraço da ex-colega,


Arte breve de Terezinha Pinheiro Moreira
Ateliê de Terezinha Pinheiro - Valentina Figueiredo


Foto: Conceição Pinheiro
Tela: Terezinha Pinheiro Moreira





Ela me mostrando de onde veio à ideia de sua obra de arte inacabada: Cabo Branco.
Foto: Conceição Pinheiro Moreira

 Foto: Maria da Conceição Pinheiro

Poesias:  Terezinha Pinheiro Moreira



Do alto de onde moro vejo serras lindas.

Nuvens distantes, afora visão da cidade.

O seu verde marcante a concentrar nuvens e céus além da visão do centro da urbe.

Ora de cinza abraçando-se terra e céus.

Da paisagem parcial leste da Borborema

Vejo o céu sobre minhas saudades.


Nesta manhã, dia dos pais, da varanda de onde moro.

Vejo o grande Pai Criador.

Aqui estou eu olhando os céus, as serras.

Agradeço a ele por mais um dia.

Olhando você papai você vivo na minha lembrança.

Lembro-me daquela atmosfera de céu

 Aqui da terra que era nossa casa, nossa família...


Homem alto, corpo proporcional, longos ombros, sem barriga.

Cabelos finos. Lisos claros, penteados para trás.

Homem simples, manso, rosto risonho, rosado, feliz!

Vestia para sair roupas bem passadas de linho e de algodão, bege, caque.

Mangas compridas de punho dobradas em duas vezes fazendo os gostos de minha mãe...

Em casa, de mangas curtas realçava braços fortes, mais bonitos.


Vejo meu Pai da terra meu gerador.

Na sua eternidade, eternizado em mim.

Agradeço aos três os dons da minha vida terrena.

Obrigada Deus pela vida!

Das origens que ficaram em mim junto aos de minha mãe, apesar de baixinha.


Aqui rezo e adoro.

O grande Jesus filho de Deus Pai criador.

Olhando o meu Pai, no céu do meu ser.

A dimensão do Cosmo.

A beleza deste universo sem fim.

Olhando o firmamento longe, desta via.

Contemplando o céu além-cidade!

Encontro galáxias das minhas saudades...


Numa manhã de agosto.

Olhando bem longe a vida

E da minha mocidade.

Vi minha sensibilidade

Transformada em verso.


Hoje dia dos pais. Olho para você Papai!

Revejo a grandeza de Deus e de sua generosidade...

Olho os céus da minha vida, de meu Pai da terra, olho você.

Vejo sua imortalidade.

Como Pai e criador deste universo.

A dimensão deste cosmo e sua beleza sem fim.

Obrigada meu Deus por ótimo dia!

Os genes deixados em mim.

Caracteres físicos e psíquicos.

Uma compleição harmoniosa junto com os de minha mãe.

Obrigada meus pais pela Vida!

Por sua vida perpetuada.

Nos, irmãos José, Conceição.

Em seus netos Marcos, Claudia e Marcelo.

Em seus bisnetos David e João Marcelo.


Obrigada meu Deus por toda minha vida.

Olhando você Papai, no céu de minhas lembranças.

Um homem simples, manso e risonho com as pessoas:

Sátiro Francisco Moreira.

Alto, largo, olhos castanhos e de claro, feições rosadas.

Era um pai bondoso!

Um esposo fiel e feliz!

Olhando o meu Pai vivo no céu das minhas lembranças.

Olho os céus da minha vida...

Olhando o meu Pai no céu do meu ser...

A dimensão do cosmo e a beleza deste universo sem fim.

O perfume daquele cravo que era você papai e os gens do teu amor se perpetuaram em mim, te amo!




FLOR EXÓTICA DO SEMIÁRIDO

Esta poesia representa “minhas boas vindas” à ex-colega, grande colega, Raimunda Ferreira, de volta ao Brasil, depois de quase trinta anos fora do seu país, Terezinha.

Diversidade de cores

Formosas, vibrantes,

Lindas cativantes

Embora efêmeras flores.

Vento leste, vento oeste,

Sopram todas as criaturas

Como certas são fases da lua

Ora cheia, ora minguante,

Como certas suas venturas

Vive a vida que é tua

Luta aguerrida

Dorme e acorda com a natureza

Plena de sol, energia, beleza,

Nascendo e renascendo vidas

Tua terra canta hino de amor

E boas vindas ao teu habitat

Busca nutrientes do corpo e da alma

Busca ajudar as pessoas

Arrefece memórias sofridas

Do êxodo para lá...

Faz o bem que na mente ressoa

Repetitivamente

Ressuscita teu eu coração, emoção,

Fortalece a fé, os sonhos a esperança,

Escreve versos para ti

E para quem amas...

Apaixonadamente

Flor exótica do Semiárido

Abraça uma causa por convicção

O mundo inteiro é tua causa

Faz a tua solidária opção

Flor apreende o segredo das flores,

Amostra mística do Universo.

Aprende com as flores

Que sorriem sempre...

E volta a ser aquela

Raimunda feliz

De antigamente.

 



Canção: Brasil...


Brasil teu povo é forte

Como é grande a tua terra, Brasil.

No verde de nossas lindas matas

Cantam passaradas, envolvei os mil.

Queremos com alegria

O prazer e saber cantar

No céu de nossa linda pátria de anil


As nossos praias brancas

Que às ondas vem beijar

Lembram os homens fortes

Que vivem a pescar

Cantar é viver

Morrer pelo Brasil

Para ensinar o povo varonil

Que essa Terra é forte

E há de ser nossa até morrer

Por que nos viu nascer...


Observação:

Estou digitando esta canção ao tempo em que a memória resgata do passado de minha infância, as Aulas de Cantos, disciplina curricular não obrigatória mas contagiante, pela frequência massiva das alunas de todas as séries do turno da manhã.

Era o Colégio Francisca Mendes, fundado por freiras franciscanas, onde estudava interna, no início dos anos da década de 1960, em Catolé do Rocha, no alto sertão da Paraíba, na fronteira do Rio Grande do Norte.

As lembranças que povoam minha memória são boas. Hoje eu compreendo o quanto aprendi naquela época a amar o meu país, a ser cidadã brasileira. A grande musa das canções, a maestrina era uma freira alemã, muito branca, alta, elegante apesar do hábito longo, afilada, de óculos e de voz incomum, Madre Ismolda O.F. aquelas cantos e canções ficaram profundas em meu ser sensível.

Canto ás vezes e as músicas vem a minha mente, às vezes uma, às vezes outra... E eu canto baixinho com o coração para mim mesma, não com saudade, mas com o coração.



Depois de passarmos vários dias em Uiraúna-PB fiz pra ela no seu aniversário. Li pra ela e esqueci-me de passar a limpo. Agora encontrei na sua agenda.


Terezinha querida!

Eleita de virtudes e qualidades vitais.

Rainha de bondade.

Elevada espiritualmente.

Zelosa por cada um (a).

Imagem do Supremo AMOR.

Nada teme porque ama sempre.

Hoje e sempre, no presente.

Amada por todos nós e muito mais por Deus.



Paixão pela vida.

Idealizadora e luz para todos.

Nova sempre porque pode recomeçar.

Humanidade Nova constrói em sua volta.

Elevando as qualidades e dons de cada um.

Indo além de suas forças.

Rega com as palavras.

Orienta com sabedoria.



Mãe da humanidade como Maria.

Onde se encontra.

Robusta a fé e concreta ação.

Enamorada da paz...

Ilumina informando as pessoas.

Raios que transparece a ternura de Deus.

Amiga, irmã e mãe, PARABÈNS!


  

Tela: Terezinha Pinheiro Moreira

Em construção
Tela: Doada ao Museu Interativo do Semiárido
 da Universidade Federal de Campinha Grande -PB


Tela "Seara Vermelha"
Conforme relato escrito pela própria autora o tema Seara Vermelha:
"resume sentimentos deixados pela leitura desse livro. Um depoimento literário sobre o atraso do Nordeste, a opressão, a fome, a exploração de todas as formas do seu povo pobre e marginalizado. Retrata os contrastes da riqueza das elites, a omissão dos políticos, de escritores, de latifundiários e a violência do Cangaço no campo na época de 1918-1929. O sonho de libertação motivou levas de famílias a partirem a pé, a cavalo abrindo veredas no emaranhado de espinhos até às estradas que levavam ao Rio São Francisco. Depois, de barco a vapor... Viagem sem volta para a grande maioria delas. Destino, São Paulo, o Eldorado das imaginações e promessas de enriquecimento...”.



FLOR EXÓTICA DO SEMIÁRIDO


Diversidade de cores

Formosas, vibrantes,

Lindas cativantes

Embora efêmeras flores.

Vento leste, vento oeste,

Sopram todas as criaturas

Como certas são fases da lua

Ora cheia, ora minguante,

Como certas suas venturas

Vive a vida que é tua

Luta aguerrida

Dorme e acorda com a natureza

Plena de sol, energia, beleza,

Nascendo e renascendo vidas

Tua terra canta hino de amor

E boas vindas ao teu habitat

Busca nutrientes do corpo e da alma

Busca ajudar as pessoas

Arrefece memórias sofridas

Do êxodo para lá...

Faz o bem que na mente ressoa

Repetitivamente

Ressuscita teu eu coração, emoção,

Fortalece a fé, os sonhos a esperança,

Escreve versos para ti

E para quem amas...

Apaixonadamente

Flor exótica do Semiárido

Abraça uma causa por convicção

O mundo inteiro é tua causa

Faz a tua solidária opção

Flor apreende o segredo das flores,

Amostra mística do Universo.

Aprende com as flores

Que sorriem sempre...

E volta a ser aquela

Raimunda feliz

De antigamente.


OBS:


Esta poesia representa “minhas boas vindas” à ex-colega, grande colega, Raimunda Ferreira, de volta ao Brasil, depois de quase trinta anos fora do seu país, Terezinha.


  


Este quadro Terezinha me disse que era uma homenagem às flores que minha mãe gostava de desenhar...





Escrito de Terezinha

A certeza de Deus criador é minha segurança porque em suas mãos deixo a minha vida. E caminho com o seu Filho a proclamar sua certeza de salvação e esperança.

                                                                               Campina Grande, 29/01/2010.


No seu ateliê no Valentina Fiqueredo 
Arte: Terezinha Pinheiro
Pintura em azulejo
Terezinha Pinheiro Moreia

Arte: Terezinha Pinheiro Moreira




Terezinha amava todas as religiões e tinha um respeito especial por cada uma. 

Veja o que ela escreveu sobre o Encontro da Nova Consciência:


ENCONTRO DA NOVA CONSCIÊNCIA 2011

Deus tem um plano todo especial para o Encontro da Nova Consciência, em Campina Grande – Paraíba, Brasil, em 2011. Neste Carnaval saí do comodismo pessoal e aqui estou a participar das atividades do grande encontro das diferentes Religiões do Planeta, como sejam os Budista, os Umbandista, os Hare Chystima, os Metodistas, dos povos Indígenas da Paraíba e os Representantes de mais de quinze outras Religiões Orientais e Ocidentais presentes, cujos nomes constam das listas de presenças diárias.

Com minha credulidade de fé e atitude ecumênica, assisti a tudo, a partir das dezoito horas de domingo, 06/03 até o final da Caminhada Ecumênica e Ecológica que teve início às quinze horas da tarde de quarta-feira, 09/03, em volta do canal em frente e ao lado do Sesc Centro, até próximo ao Prédio da FIEP, iniciando pelo lado direito e voltando pelo lado esquerdo, concentrando-nos todos os presentes na praça do contorno bem em frente ao Sesc Centro.

Ali, na praça do contorno, início da Av Floriano Peixoto, as pessoas chegavam da caminhada e se colocavam ao lado uma das outras, no grande círculo, numa atitude de respeito ao evento e aos líderes e Pastores das diversas Religiões presentes. Eles os Representantes, no momento solene, estavam num círculo central menor, em torno de 30, a maioria idosos, experientes, vestidos segundo suas tradições e costumes religiosos, inclusive os Indígenas. A saudação ao Planeta Terra era uma benção solene por cada Líder religioso, num resumo filosófico do seu movimento, invocando os poderes do Deus criador sobre a Mãe Terra. Nós os cidadãos do mundo presentes, acompanhávamos contritos, a fala dos líderes religiosos e a cada intervalo, cantávamos, dançávamos e pisávamos carinhosamente o solo que abrigava todos os povos e todas as religiões aos ritmos de tambores, violões, de palmas, de sentimentos solidários e de grande Unidade ao afinal do grande Encontro das diferentes Religiões, das diferentes formas e pelo mesmo caminho nos levavam ao mesmo Deus todo poderoso e Senhor do Universo.

Outra coisa do Encontro da NC é que ao encerrar, procurei aculturar um compromisso comigo mesma e com Ele o grande criador: pensar, viver e falar somente os positivos das atitudes interiores. Nova disposição psicofísica para caminhar, ler, escrever, sistematizar e viver a minha fé cristã amando mais os irmãos e irmãs ao meu redor, ao tempo em que serei mais participante dos eventos de minha Religião Católica. Prestar um serviço na Igreja do bairro em que eu resido é a meta. Proclamar a Palavra de Jesus em todas as ocasiões, ajudando de alguma forma a quem estiver precisando próximo a mim. Em fim o novo compromisso com a prática do viver quotidiano em todos os aspectos em defasa da Mãe Terra.

Descrever as impressões sobre o primeiro dia é muito importante. Sobre os recém-chegados participantes homens, mulheres e jovens, palestrantes, artesãs e artesãos de diferentes países, povos, raças, línguas, culturas, religiões, ali juntos, no recinto do SESC Centro, armando suas gôndolas, suas prateleiras de vendas, visivelmente cansados de suas longas viagens, porém felizes muito mais pelos reencontros pessoais do que pelas expectativas de vendas de suas mercadorias. Seus diferentes tipos de produtos e modelos orientais são marcantes no modo de vestir de seus líderes e seguidores como roupas femininas, vestidos, saias, blusas, essências, incensos, calças indianas, brincos, colares, adornos para cabeça, pescoço, e, principalmente muitos livros sobre as diferentes ideologias religiosas presentes, revistas, muitas essências e incensos a queimar, uma grande heterogeneidade de pessoas, de perfis, de rostos, de falas baixinhas diferentes a inteirar-se sobre os programas do evento, o Vigésimo quarto Encontro da Nova Consciência.
                                                         Terezinha Pinheiro Moreira
                                                          Campina Grande -PB


Arte: Terezinha Pinheiro Moreira


                                                              Sintonia nordestina
                                                              Terezinha, agenda 1995


Terezinha acompanhava e participava dando o seu contributo para esta ONG paraibana:
                                                                   PATAC.


Para Marilen:


Ela estava em Uiraúna- PB e escreveu sobre uma das reuniões do PATAC:


Pátio do PATAC -20/12/1994 (Às 16h30min). Intercalo para cafezinho...


Sentia a harmonia da natureza e do coração coletivo.

Respirando, agradecia a Deus, entre outras coisas, por ocuparmos este espaço, desafiando todos os limites.

Oferecia o concreto e o abstrato do grupo. Os sonhos. As tarefas cumpridas. As dificuldades, não somente do Projeto Água Fonte de Vida, mas do cotidiano de nossas vidas...              

A crucifixão desta luta, desta morte presente... “O dom de nós mesmos transformados N’ELE...

E Deus parecia responder na tarde singela. Entre árvores, pássaros e sentimentos cruzados com raios de luz, brilhantes, vespertinos, castanhos...

Encontro de cores do sol, da terra e das almas, de ações somadas... Capazes de mudar o fundo de dominação desta história:

De dores de amores. Tudo que é vida e Ressureição... Em cada eu particular daquele que somos PATAC.

                        Terezinha Pinheiro Moreira
                                                                      
                                                                       ******
Escute música ou desligue!




Fotos várias e escritos



Enamorada da música:


             


Perpetuando a vida de Terezinha Pinheiro:


           Conservarei e colocarei aos pouco neste Blog o que vou encontrando nos seus escritos como um dom (presente) aos que a amavam e tinham contatos periódicos com ela...
         As que foram presente em vida e participaram de sua vida e comungavam e continua a lutar por uma “Civilização do amor”, como dizia Papa Paulo VI e “POR UMA CILIZAÇÃO DO AMOR”. Como dizia Chiara Lubich "POR UM MUNDO UNIDO e como diz Jesus:
                                          “QUE TODOS SEJAM UM”.

 

 Homenagem de Graça Maia colega de trabalho e amiga de Terezinha Pinheiro:


Foto: Maria das Graças Maia


Maria das Graças Maia - EMATER- PB - Campina Grande-PB. 




Minha homenagem a Terezinha na quinta marcha das mulheres contra a violência em Massaranduba.














Gostaria de saber quem é a mãe com as crianças...
                                           Contato:
                                                        moreira.mcp@hotmail.com






                                                                                                                Natal  1990


    Neste Natal Jesus vai encontrar muito espaço para renascer entre e dentro de nós. Até precisamos sentir mais e dar sentido a tudo. As luzes. Músicas. Cores. E gente ao nosso redor, alegrando-nos plenamente com Ele.
             Como manhã de sol a vida é sempre nova. Novo ano. Nova década. novo e melhores ideais somados dá mais e novos:
            Novas lutas. Novas conquistas... Tudo compartilhados nas emoções de amizade, de trabalho, de fé e de amor.
            Desejo a todos. Feliz Natal!
                                                   
                            












  Fruto invisível do trabalho de Terezinha Pinheiro na EMATER-PB:


Terezinha no trabalho

  EMATER-PB:




EMATER-PB: 


Terezinha na EMATER-PB

Terezinha Pinheiro Moreira, Marconi de Sousa e Silva e Maria Verônica de Medeiros, trabalhando com o Plano Anual de Trabalho, no Regional da EMATER-PB, em Campina Grande, quando o escritório era na Rua da Independência, n° 330- Em outubro de 1996.








 EMATER-PB



EMATER-PB


 


Um dos Seminários da EMATER -PB e ATER.





 





  




                    


                                                                    

                                         
No Sindicatos dos Assistentes Sociais da EMATER-PB




Terezinha Pinheiro num congresso de mulheres camponesas em Brasília. Veio de ônibus com elas de Campina Grande-PB ou João Pessoa-PB, não lembro bem qual a cidade... E ficou intensivamente com elas nestes dias... Aqui em Brasília. Vivia e vibrava como se ela própria fosse a camponesa... E comentava sobre os seus progressos nas suas reinvindicações.





   
Congresso da Mulher do Campo - Brasília -DF
                                                                            ***

Um outro de seus momentos de lutas....


Está escrito neste pequeno cartaz por cima da faixa verde:

"A fome denigre a pessoa humana e envergonha a nação".


Foto: Terezinha Pìnheiro

Para os que viajaram com ela para a Argentina:

Foto: Terezinha Pinheiro
Argentina
Foto: Terezinha Pinheiro

Caríssimos(as):

Primeiro, obrigada pelas mensagens e pelas fotos. Segundo, desculpem minhas informações retardatárias é que ja rodei o mundo resolvendo coisas para outra viagem de tres meses ao Centro-Oeste em dezembro. Amei a turma maravilhosa que foi a Buenos Aires. Confesso que fiquei com saudades. Amei a Argentina pelo seu clima frio, pelo verde da floresta preservada, pela aula prática de História Geral de Eduardo e Gladis, guias turísticos em Buenos Aires, Tigre, Delta e Rio la Plata. O povo argentino é muito parecido com o nosso e simultaneamente diferente, miscigenado de nativos, negros e europeus ( milionários ), porém marcado na alma pela música e dança do tango, exclusiva daquele pais, em síntese  paixão e saudade de suas raízes. E mais, encanta e  nos apaixona.

                 Abraço a todos e todas, ate a próxima, seguem as fotos, Terezinha Pinheiro Moreira




Terezinha escreveu para esta jovem, acho que era do PATAC...

Oi jovem, boa noite!

Obrigada pelas informações do Globo Ecologia e de outros programas da ASA, As-PTA, P1MC e outros. Agradeço sinceramente! E desejo a todos e a todas, especialmente a você Marilene, muita saúde, paz, alegria, energia, muita produção intelectual para sua tese (se ainda não terminou) e para o trabalho transformador de nosso Cariri Paraibano !
                                                               Abraços,
                                                                           Terezinha




Fotos várias de Terezinha Pinheiro
Com Eduardo esposo da Natalia.

                       










Foto: Conceição Pinheiro






Encontrei nas suas anotações:
                                                                   Alicerce sólido
A paz não poderá contar com um alicerce sólido se nos corações não crescer o sentimento de fraternidade, uma vez que temos a mesma origem e somos chamados ao mesmo destino. Saber que somos família une-nos a todos em um vínculo de generosa solidariedade.

                                                                                         (João XXIII).
                 

Presença amiga, fotos várias:


        Uma visita que fizemos a uma Tia Querida, Tia Tetê, em sua casa em Antenor Navarro- PB.

                                                                         
                                                                                     


       
                                                                                     
                                                                                               

    







                                                                                     













 




 



















  










Adicionar legenda


















O meu último encontro com minha irmã Terezinha Pinheiro, no Aeroporto de Brasília Encontro aqui da terra, pois no céu nos encontraremos para a Vida que não acaba jamais... 










Presença no trabalho





Fotos de álbuns e antigas...



De um álbum 

  






Artes e escritos de Terezinha Pinheiro Moreira



Tributo ao nordeste
Música:


 Artes e escritos de Terezinha Pinheiro Moreira

Frase do painel:
 Escreveu quando estava trabalhando em Serra Branca -PB.



 

 

Tradução da sua letra:

"Ah, é você?! Um abração!"        / "Papel aguenta tudo"  14/05/1995
  

                                       " Ser: Sim"!
                                         
                                          A alegria,
                                              a paz,
                                          a comunicação,
                                           a sabedoria,
                                          ao aconselhamento,
                                           ao amor de Deus ( para o semelhante),
                                          no momento presente...
                                                                                  18/06/199


Arte breve de Terezinha Pinheiro Moreira
Ateliê de Terezinha Pinheiro - Valentina Figueiredo


Foto: Conceição Pinheiro
Tela: Terezinha Pinheiro Moreira





Ela me mostrando de onde veio à ideia de sua obra de arte inacabada: Cabo Branco.
Foto: Conceição Pinheiro Moreira

 Foto: Maria da Conceição Pinheiro

Poesias:  Terezinha Pinheiro Moreira



Do alto de onde moro vejo serras lindas.

Nuvens distantes, afora visão da cidade.

O seu verde marcante a concentrar nuvens e céus além da visão do centro da urbe.

Ora de cinza abraçando-se terra e céus.

Da paisagem parcial leste da Borborema

Vejo o céu sobre minhas saudades.


Nesta manhã, dia dos pais, da varanda de onde moro.

Vejo o grande Pai Criador.

Aqui estou eu olhando os céus, as serras.

Agradeço a ele por mais um dia.

Olhando você papai você vivo na minha lembrança.

Lembro-me daquela atmosfera de céu

 Aqui da terra que era nossa casa, nossa família...


Homem alto, corpo proporcional, longos ombros, sem barriga.

Cabelos finos. Lisos claros, penteados para trás.

Homem simples, manso, rosto risonho, rosado, feliz!

Vestia para sair roupas bem passadas de linho e de algodão, bege, caque.

Mangas compridas de punho dobradas em duas vezes fazendo os gostos de minha mãe...

Em casa, de mangas curtas realçava braços fortes, mais bonitos.


Vejo meu Pai da terra meu gerador.

Na sua eternidade, eternizado em mim.

Agradeço aos três os dons da minha vida terrena.

Obrigada Deus pela vida!

Das origens que ficaram em mim junto aos de minha mãe, apesar de baixinha.


Aqui rezo e adoro.

O grande Jesus filho de Deus Pai criador.

Olhando o meu Pai, no céu do meu ser.

A dimensão do Cosmo.

A beleza deste universo sem fim.

Olhando o firmamento longe, desta via.

Contemplando o céu além-cidade!

Encontro galáxias das minhas saudades...


Numa manhã de agosto.

Olhando bem longe a vida

E da minha mocidade.

Vi minha sensibilidade

Transformada em verso.


Hoje dia dos pais. Olho para você Papai!

Revejo a grandeza de Deus e de sua generosidade...

Olho os céus da minha vida, de meu Pai da terra, olho você.

Vejo sua imortalidade.

Como Pai e criador deste universo.

A dimensão deste cosmo e sua beleza sem fim.

Obrigada meu Deus por ótimo dia!

Os genes deixados em mim.

Caracteres físicos e psíquicos.

Uma compleição harmoniosa junto com os de minha mãe.

Obrigada meus pais pela Vida!

Por sua vida perpetuada.

Nos, irmãos José, Conceição.

Em seus netos Marcos, Claudia e Marcelo.

Em seus bisnetos David e João Marcelo.


Obrigada meu Deus por toda minha vida.

Olhando você Papai, no céu de minhas lembranças.

Um homem simples, manso e risonho com as pessoas:

Sátiro Francisco Moreira.

Alto, largo, olhos castanhos e de claro, feições rosadas.

Era um pai bondoso!

Um esposo fiel e feliz!

Olhando o meu Pai vivo no céu das minhas lembranças.

Olho os céus da minha vida...

Olhando o meu Pai no céu do meu ser...

A dimensão do cosmo e a beleza deste universo sem fim.

O perfume daquele cravo que era você papai e os gens do teu amor se perpetuaram em mim, te amo!





FLOR EXÓTICA DO SEMIÁRIDO

Esta poesia representa “minhas boas vindas” à ex-colega, grande colega, Raimunda Ferreira, de volta ao Brasil, depois de quase trinta anos fora do seu país, Terezinha.

Diversidade de cores

Formosas, vibrantes,

Lindas cativantes

Embora efêmeras flores.

Vento leste, vento oeste,

Sopram todas as criaturas

Como certas são fases da lua

Ora cheia, ora minguante,

Como certas suas venturas

Vive a vida que é tua

Luta aguerrida

Dorme e acorda com a natureza

Plena de sol, energia, beleza,

Nascendo e renascendo vidas

Tua terra canta hino de amor

E boas vindas ao teu habitat

Busca nutrientes do corpo e da alma

Busca ajudar as pessoas

Arrefece memórias sofridas

Do êxodo para lá...

Faz o bem que na mente ressoa

Repetitivamente

Ressuscita teu eu coração, emoção,

Fortalece a fé, os sonhos a esperança,

Escreve versos para ti

E para quem amas...

Apaixonadamente

Flor exótica do Semiárido

Abraça uma causa por convicção

O mundo inteiro é tua causa

Faz a tua solidária opção

Flor apreende o segredo das flores,

Amostra mística do Universo.

Aprende com as flores

Que sorriem sempre...

E volta a ser aquela

Raimunda feliz

De antigamente.

 

                     

Campina Grande-PB, 11 de julho de 2012.

                      De sua Agenda em Campina Grande-PB                      



Hoje fiz uma revisão, lendo os textos da Palavra de Vida e do Jornal Mariápolis. Relembrei o momento em que a Palavra era “O meu alimento é fazer a vontade de Deus” e eu pedia a Deus para que ele deixasse claro qual a sua vontade sobre mim. Porque naquele contexto dos dias das experiências dos voluntários (as), eu senti uma “vozinha” e porque não ser voluntária. É que eu havia falado com o Pe Leonildo que gostaria de colaborar nos trabalhos da Paróquia do Rosário e ele disse procure a Nazaré... Que é de seu campo profissional, ou seja, Assistente Social. (Embora aposentada).

            Ao conversar com Nazaré ela me perguntava você reside aqui? Pode assumir atividades diárias? E aí veio o X do problema. Eu viajo muito, pelo menos por em quanto è o tempo na minha vida... Continuava cuidando de trabalhos pessoais e familiares que eram necessários e que a vida profissional ativa não me permitia realizarem. O certo é que dentro de mim só “Proclamava a Palavra com as pessoas”, as quais encontro é pouco – em grupo - como já havia iniciado antes. Ser o Ideal. Sendo mais objetiva como anos atrás participei de Humanidade Nova. (No Movimento Político pela Unidade).Porém, algumas dificuldades impediram minha participação – o período em que minha mãe veio morar comigo de... A 2001. Uma “experiente” de idade senil – ativa- e depois uma dificuldade de saúde comigo me tornei portadora de CA.

            Tudo passou. E a vida continuava, porém tem de ser vigilante com a minha saúde... Em função dessa vigilância reduzi tudo que é ativismo...

            Em câmera lenta, estou mais calma. Correndo menos, mas tocando as tarefas que o dia a dia da vida exige de mim.

            Hoje é Deus em primeiro lugar, mesmo que para os outros não pareça...

            Sentada num dos bancos do Parque da Criança, diante de uma natureza exuberante, o verde e a paz que encantam a todos se misturava na minha mente com as lembranças da Mariápolis – “O SIM AO AMOR DE DEUS”, como tema (muito parecido com as três últimas Palavras de Vida de Abril, Maio e Junho). Nesta manhã nublada e chuvosa, fria e silenciosa, aqui no Parque, eu pergunto – Glorioso Deus qual a tua vontade para comigo? – preciso do seu “discernimento” com o Espírito Santo.

Como uma bolha em branco eu ouvia aquela voz. Cuida desta gripe... Uma voluntária deve ser entre muitas coisas saudáveis.

Segundo vive a Palavra e depois leva Deus aos outros pela estrada da luz deixada por Chiara e suas companheiras, pela oração e a leitura da verdade como Jesus nos diz...

Terceiro, ser amor como Cristo aos que estiverem ao nosso redor... ”E por esta estrada vai e volte atrás jamais...”.

Vim para casa procurei logo escrever de fato aquilo que veio na alma no Parque. Eram de repente dez horas...

                                                               Terezinha Pinheiro Moreira

                                                           De sua Agenda em Campina Grande-PB


Canção: Brasil...


Brasil teu povo é forte

Como é grande a tua terra, Brasil.

No verde de nossas lindas matas

Cantam passaradas, envolvei os mil.

Queremos com alegria

O prazer e saber cantar

No céu de nossa linda pátria de anil


As nossos praias brancas

Que às ondas vem beijar

Lembram os homens fortes

Que vivem a pescar

Cantar é viver

Morrer pelo Brasil

Para ensinar o povo varonil

Que essa Terra é forte

E há de ser nossa até morrer

Por que nos viu nascer...


Observação:

Estou digitando esta canção ao tempo em que a memória resgata do passado de minha infância, as Aulas de Cantos, disciplina curricular não obrigatória mas contagiante, pela frequência massiva das alunas de todas as séries do turno da manhã.

Era o Colégio Francisca Mendes, fundado por freiras franciscanas, onde estudava interna, no início dos anos da década de 1960, em Catolé do Rocha, no alto sertão da Paraíba, na fronteira do Rio Grande do Norte.

As lembranças que povoam minha memória são boas. Hoje eu compreendo o quanto aprendi naquela época a amar o meu país, a ser cidadã brasileira. A grande musa das canções, a maestrina era uma freira alemã, muito branca, alta, elegante apesar do hábito longo, afilada, de óculos e de voz incomum, Madre Ismolda O.F. aquelas cantos e canções ficaram profundas em meu ser sensível.

Canto ás vezes e as músicas vem a minha mente, às vezes uma, às vezes outra... E eu canto baixinho com o coração para mim mesma, não com saudade, mas com o coração.



Depois de passarmos vários dias em Uiraúna-PB fiz pra ela no seu aniversário. Li pra ela e esqueci-me de passar a limpo. Agora encontrei na sua agenda.


Terezinha querida!

Eleita de virtudes e qualidades vitais.

Rainha de bondade.

Elevada espiritualmente.

Zelosa por cada um (a).

Imagem do Supremo AMOR.

Nada teme porque ama sempre.

Hoje e sempre, no presente.

Amada por todos nós e muito mais por Deus.



Paixão pela vida.

Idealizadora e luz para todos.

Nova sempre porque pode recomeçar.

Humanidade Nova constrói em sua volta.

Elevando as qualidades e dons de cada um.

Indo além de suas forças.

Rega com as palavras.

Orienta com sabedoria.



Mãe da humanidade como Maria.

Onde se encontra.

Robusta a fé e concreta ação.

Enamorada da paz...

Ilumina informando as pessoas.

Raios que transparece a ternura de Deus.

Amiga, irmã e mãe, PARABÈNS!


  

Tela: Terezinha Pinheiro Moreira

Em construção
Tela: Doada ao Museu Interativo do Semiárido
 da Universidade Federal de Campinha Grande -PB


Tela "Seara Vermelha"
Conforme relato escrito pela própria autora o tema Seara Vermelha:
"resume sentimentos deixados pela leitura desse livro. Um depoimento literário sobre o atraso do Nordeste, a opressão, a fome, a exploração de todas as formas do seu povo pobre e marginalizado. Retrata os contrastes da riqueza das elites, a omissão dos políticos, de escritores, de latifundiários e a violência do Cangaço no campo na época de 1918-1929. O sonho de libertação motivou levas de famílias a partirem a pé, a cavalo abrindo veredas no emaranhado de espinhos até às estradas que levavam ao Rio São Francisco. Depois, de barco a vapor... Viagem sem volta para a grande maioria delas. Destino, São Paulo, o Eldorado das imaginações e promessas de enriquecimento...”.






FLOR EXÓTICA DO SEMIÁRIDO



Diversidade de cores

Formosas, vibrantes,

Lindas cativantes

Embora efêmeras flores.

Vento leste, vento oeste,

Sopram todas as criaturas

Como certas são fases da lua

Ora cheia, ora minguante,

Como certas suas venturas

Vive a vida que é tua

Luta aguerrida

Dorme e acorda com a natureza

Plena de sol, energia, beleza,

Nascendo e renascendo vidas

Tua terra canta hino de amor

E boas vindas ao teu habitat

Busca nutrientes do corpo e da alma

Busca ajudar as pessoas

Arrefece memórias sofridas

Do êxodo para lá...

Faz o bem que na mente ressoa

Repetitivamente

Ressuscita teu eu coração, emoção,

Fortalece a fé, os sonhos a esperança,

Escreve versos para ti

E para quem amas...

Apaixonadamente

Flor exótica do Semiárido

Abraça uma causa por convicção

O mundo inteiro é tua causa

Faz a tua solidária opção

Flor apreende o segredo das flores,

Amostra mística do Universo.

Aprende com as flores

Que sorriem sempre...

E volta a ser aquela

Raimunda feliz

De antigamente.



OBS:



Esta poesia representa “minhas boas vindas” à ex-colega, grande colega, Raimunda Ferreira, de volta ao Brasil, depois de quase trinta anos fora do seu país, Terezinha.







ENCONTRO DA NOVA CONSCIÊNCIA 2011



Deus tem um plano todo especial para o Encontro da Nova Consciência, em Campina Grande – Paraíba, Brasil, em 2011. Neste Carnaval saí do comodismo pessoal e aqui estou a participar das atividades do grande encontro das diferentes Religiões do Planeta, como sejam os Budista, os Umbandista, os Hare Chystima, os Metodistas, dos povos Indígenas da Paraíba e os Representantes de mais de quinze outras Religiões Orientais e Ocidentais presentes, cujos nomes constam das listas de presenças diárias.

Com minha credulidade de fé e atitude ecumênica, assisti a tudo, a partir das dezoito horas de domingo, 06/03 até o final da Caminhada Ecumênica e Ecológica que teve início às quinze horas da tarde de quarta-feira, 09/03, em volta do canal em frente e ao lado do Sesc Centro, até próximo ao Prédio da FIEP, iniciando pelo lado direito e voltando pelo lado esquerdo, concentrando-nos todos os presentes na praça do contorno bem em frente ao Sesc Centro.

Ali, na praça do contorno, início da Av Floriano Peixoto, as pessoas chegavam da caminhada e se colocavam ao lado uma das outras, no grande círculo, numa atitude de respeito ao evento e aos líderes e Pastores das diversas Religiões presentes. Eles os Representantes, no momento solene, estavam num círculo central menor, em torno de 30, a maioria idosos, experientes, vestidos segundo suas tradições e costumes religiosos, inclusive os Indígenas. A saudação ao Planeta Terra era uma benção solene por cada Líder religioso, num resumo filosófico do seu movimento, invocando os poderes do Deus criador sobre a Mãe Terra. Nós os cidadãos do mundo presentes, acompanhávamos contritos, a fala dos líderes religiosos e a cada intervalo, cantávamos, dançávamos e pisávamos carinhosamente o solo que abrigava todos os povos e todas as religiões aos ritmos de tambores, violões, de palmas, de sentimentos solidários e de grande Unidade ao afinal do grande Encontro das diferentes Religiões, das diferentes formas e pelo mesmo caminho nos levavam ao mesmo Deus todo poderoso e Senhor do Universo.

Outra coisa do Encontro da NC é que ao encerrar, procurei aculturar um compromisso comigo mesma e com Ele o grande criador: pensar, viver e falar somente os positivos das atitudes interiores. Nova disposição psicofísica para caminhar, ler, escrever, sistematizar e viver a minha fé cristã amando mais os irmãos e irmãs ao meu redor, ao tempo em que serei mais participante dos eventos de minha Religião Católica. Prestar um serviço na Igreja do bairro em que eu resido é a meta. Proclamar a Palavra de Jesus em todas as ocasiões, ajudando de alguma forma a quem estiver precisando próximo a mim. Em fim o novo compromisso com a prática do viver quotidiano em todos os aspectos em defasa da Mãe Terra.


Descrever as impressões sobre o primeiro dia é muito importante. Sobre os recém-chegados participantes homens, mulheres e jovens, palestrantes, artesãs e artesãos de diferentes países, povos, raças, línguas, culturas, religiões, ali juntos, no recinto do SESC Centro, armando suas gôndolas, suas prateleiras de vendas, visivelmente cansados de suas longas viagens, porém felizes muito mais pelos reencontros pessoais do que pelas expectativas de vendas de suas mercadorias. Seus diferentes tipos de produtos e modelos orientais são marcantes no modo de vestir de seus líderes e seguidores como roupas femininas, vestidos, saias, blusas, essências, incensos, calças indianas, brincos, colares, adornos para cabeça, pescoço, e, principalmente muitos livros sobre as diferentes ideologias religiosas presentes, revistas, muitas essências e incensos a queimar, uma grande heterogeneidade de pessoas, de perfis, de rostos, de falas baixinhas diferentes a inteirar-se sobre os programas do evento, o Vigésimo quarto Encontro da Nova Consciência.
                                                         Terezinha Pinheiro Moreira
                                                          Campina Grande -PB



Arte: Terezinha Pinheiro Moreira


                                                              Sintonia nordestina
                                                              Terezinha, agenda 1995

Terezinha acompanhava e participava dando o seu contributo para esta ONG paraibana:
                                                                   PATAC.

Para Marilen:

Ela estava em Uiraúna- PB e escreveu sobre uma das reuniões do PATAC:

Pátio do PATAC -20/12/1994 (Às 16h30min). Intercalo para cafezinho...

Sentia a harmonia da natureza e do coração coletivo.

Respirando, agradecia a Deus, entre outras coisas, por ocuparmos este espaço, desafiando todos os limites.

Oferecia o concreto e o abstrato do grupo. Os sonhos. As tarefas cumpridas. As dificuldades, não somente do Projeto Água Fonte de Vida, mas do cotidiano de nossas vidas...              

A crucifixão desta luta, desta morte presente... “O dom de nós mesmos transformados N’ELE...

E Deus parecia responder na tarde singela. Entre árvores, pássaros e sentimentos cruzados com raios de luz, brilhantes, vespertinos, castanhos...

Encontro de cores do sol, da terra e das almas, de ações somadas... Capazes de mudar o fundo de dominação desta história:

De dores de amores. Tudo que é vida e Ressureição... Em cada eu particular daquele que somos PATAC.

                        Terezinha Pinheiro Moreira
                                                                      
                                                                       ******
Escute música ou desligue!






Enamorada da música:


             


Perpetuando a vida de Terezinha Pinheiro:


           Conservarei e colocarei aos pouco neste Blog o que vou encontrando nos seus escritos como um dom (presente) aos que a amavam e tinham contatos periódicos com ela...
         As que foram presente em vida e participaram de sua vida e comungavam e continua a lutar por uma “Civilização do amor”, como dizia Papa Paulo VI e “POR UMA CILIZAÇÃO DO AMOR”. Como dizia Chiara Lubich "POR UM MUNDO UNIDO e como diz Jesus:
                                          “QUE TODOS SEJAM UM”.

 

 Homenagem de Graça Maia colega de trabalho e amiga de Terezinha Pinheiro:


Foto: Maria das Graças Maia


Maria das Graças Maia - EMATER- PB - Campina Grande-PB. 




Minha homenagem a Terezinha na quinta marcha das mulheres contra a violência em Massaranduba.














Gostaria de saber quem é a mãe com as crianças...
                                           Contato:
                                                        moreira.mcp@hotmail.com






                                                                                                                Natal  1990


    Neste Natal Jesus vai encontrar muito espaço para renascer entre e dentro de nós. Até precisamos sentir mais e dar sentido a tudo. As luzes. Músicas. Cores. E gente ao nosso redor, alegrando-nos plenamente com Ele.
             Como manhã de sol a vida é sempre nova. Novo ano. Nova década. novo e melhores ideais somados dá mais e novos:
            Novas lutas. Novas conquistas... Tudo compartilhados nas emoções de amizade, de trabalho, de fé e de amor.
            Desejo a todos. Feliz Natal!
                                                   
                            












  Fruto invisível do trabalho de Terezinha Pinheiro na EMATER-PB:


Terezinha no trabalho

  EMATER-PB:




EMATER-PB: 


Terezinha na EMATER-PB

Terezinha Pinheiro Moreira, Marconi de Sousa e Silva e Maria Verônica de Medeiros, trabalhando com o Plano Anual de Trabalho, no Regional da EMATER-PB, em Campina Grande, quando o escritório era na Rua da Independência, n° 330- Em outubro de 1996.








 EMATER-PB



EMATER-PB


 


Um dos Seminários da EMATER -PB e ATER.





 





  




                    


                                                                    

                                         
No Sindicatos dos Assistentes Sociais da EMATER-PB




Terezinha Pinheiro num congresso de mulheres camponesas em Brasília. Veio de ônibus com elas de Campina Grande-PB ou João Pessoa-PB, não lembro bem qual a cidade... E ficou intensivamente com elas nestes dias... Aqui em Brasília. Vivia e vibrava como se ela própria fosse a camponesa... E comentava sobre os seus progressos nas suas reinvindicações.





   
Congresso da Mulher do Campo - Brasília -DF
                                                                            ***

Um outro de seus momentos de lutas....


Está escrito neste pequeno cartaz por cima da faixa verde:

"A fome denigre a pessoa humana e envergonha a nação".


Foto: Terezinha Pìnheiro

Para os que viajaram com ela para a Argentina:

Foto: Terezinha Pinheiro
Argentina
Foto: Terezinha Pinheiro

Caríssimos(as):

Primeiro, obrigada pelas mensagens e pelas fotos. Segundo, desculpem minhas informações retardatárias é que ja rodei o mundo resolvendo coisas para outra viagem de tres meses ao Centro-Oeste em dezembro. Amei a turma maravilhosa que foi a Buenos Aires. Confesso que fiquei com saudades. Amei a Argentina pelo seu clima frio, pelo verde da floresta preservada, pela aula prática de História Geral de Eduardo e Gladis, guias turísticos em Buenos Aires, Tigre, Delta e Rio la Plata. O povo argentino é muito parecido com o nosso e simultaneamente diferente, miscigenado de nativos, negros e europeus ( milionários ), porém marcado na alma pela música e dança do tango, exclusiva daquele pais, em síntese  paixão e saudade de suas raízes. E mais, encanta e  nos apaixona.

                 Abraço a todos e todas, ate a próxima, seguem as fotos, Terezinha Pinheiro Moreira




Terezinha escreveu para esta jovem, acho que era do PATAC...

Oi jovem, boa noite!

Obrigada pelas informações do Globo Ecologia e de outros programas da ASA, As-PTA, P1MC e outros. Agradeço sinceramente! E desejo a todos e a todas, especialmente a você Marilene, muita saúde, paz, alegria, energia, muita produção intelectual para sua tese (se ainda não terminou) e para o trabalho transformador de nosso Cariri Paraibano !
                                                               Abraços,
                                                                           Terezinha




Fotos várias de Terezinha Pinheiro
Com Eduardo esposo da Natalia.

                       










Foto: Conceição Pinheiro






Encontrei nas suas anotações:
                                                                   Alicerce sólido
A paz não poderá contar com um alicerce sólido se nos corações não crescer o sentimento de fraternidade, uma vez que temos a mesma origem e somos chamados ao mesmo destino. Saber que somos família une-nos a todos em um vínculo de generosa solidariedade.

                                                                                         (João XXIII).
                 

Presença amiga, fotos várias:


        Uma visita que fizemos a uma Tia Querida, Tia Tetê, em sua casa em Antenor Navarro- PB.

                                                                         
                                                                                     


       
                                                                                     
                                                                                               

    







                                                                                     













 




 



















  










Adicionar legenda


















O meu último encontro com minha irmã Terezinha Pinheiro, no Aeroporto de Brasília Encontro aqui da terra, pois no céu nos encontraremos para a Vida que não acaba jamais... 










Presença no trabalho





Fotos de álbuns e antigas...



De um álbum 

  






Artes e escritos de Terezinha Pinheiro Moreira



Tributo ao nordeste
Música:


 Artes e escritos de Terezinha Pinheiro Moreira

Frase do painel:
 Escreveu quando estava trabalhando em Serra Branca -PB.



 

 

 

 


Sua arte


Ela me mostrando de onde veio à ideia de sua obra de arte inacabada: Cabo Branco.
Foto: Conceição Pinheiro Moreira

 Foto: Maria da Conceição Pinheiro

Poesias:  Terezinha Pinheiro Moreira



Do alto de onde moro vejo serras lindas.

Nuvens distantes, afora visão da cidade.

O seu verde marcante a concentrar nuvens e céus além da visão do centro da urbe.

Ora de cinza abraçando-se terra e céus.

Da paisagem parcial leste da Borborema

Vejo o céu sobre minhas saudades.


Nesta manhã, dia dos pais, da varanda de onde moro.

Vejo o grande Pai Criador.

Aqui estou eu olhando os céus, as serras.

Agradeço a ele por mais um dia.

Olhando você papai você vivo na minha lembrança.

Lembro-me daquela atmosfera de céu

 Aqui da terra que era nossa casa, nossa família...


Homem alto, corpo proporcional, longos ombros, sem barriga.

Cabelos finos. Lisos claros, penteados para trás.

Homem simples, manso, rosto risonho, rosado, feliz!

Vestia para sair roupas bem passadas de linho e de algodão, bege, caque.

Mangas compridas de punho dobradas em duas vezes fazendo os gostos de minha mãe...

Em casa, de mangas curtas realçava braços fortes, mais bonitos.


Vejo meu Pai da terra meu gerador.

Na sua eternidade, eternizado em mim.

Agradeço aos três os dons da minha vida terrena.

Obrigada Deus pela vida!

Das origens que ficaram em mim junto aos de minha mãe, apesar de baixinha.


Aqui rezo e adoro.

O grande Jesus filho de Deus Pai criador.

Olhando o meu Pai, no céu do meu ser.

A dimensão do Cosmo.

A beleza deste universo sem fim.

Olhando o firmamento longe, desta via.

Contemplando o céu além-cidade!

Encontro galáxias das minhas saudades...


Numa manhã de agosto.

Olhando bem longe a vida

E da minha mocidade.

Vi minha sensibilidade

Transformada em verso.


Hoje dia dos pais. Olho para você Papai!

Revejo a grandeza de Deus e de sua generosidade...

Olho os céus da minha vida, de meu Pai da terra, olho você.

Vejo sua imortalidade.

Como Pai e criador deste universo.

A dimensão deste cosmo e sua beleza sem fim.

Obrigada meu Deus por ótimo dia!

Os genes deixados em mim.

Caracteres físicos e psíquicos.

Uma compleição harmoniosa junto com os de minha mãe.

Obrigada meus pais pela Vida!

Por sua vida perpetuada.

Nos, irmãos José, Conceição.

Em seus netos Marcos, Claudia e Marcelo.

Em seus bisnetos David e João Marcelo.


Obrigada meu Deus por toda minha vida.

Olhando você Papai, no céu de minhas lembranças.

Um homem simples, manso e risonho com as pessoas:

Sátiro Francisco Moreira.

Alto, largo, olhos castanhos e de claro, feições rosadas.

Era um pai bondoso!

Um esposo fiel e feliz!

Olhando o meu Pai vivo no céu das minhas lembranças.

Olho os céus da minha vida...

Olhando o meu Pai no céu do meu ser...

A dimensão do cosmo e a beleza deste universo sem fim.

O perfume daquele cravo que era você papai e os gens do teu amor se perpetuaram em mim, te amo!





FLOR EXÓTICA DO SEMIÁRIDO

Esta poesia representa “minhas boas vindas” à ex-colega, grande colega, Raimunda Ferreira, de volta ao Brasil, depois de quase trinta anos fora do seu país, Terezinha.

Diversidade de cores

Formosas, vibrantes,

Lindas cativantes

Embora efêmeras flores.

Vento leste, vento oeste,

Sopram todas as criaturas

Como certas são fases da lua

Ora cheia, ora minguante,

Como certas suas venturas

Vive a vida que é tua

Luta aguerrida

Dorme e acorda com a natureza

Plena de sol, energia, beleza,

Nascendo e renascendo vidas

Tua terra canta hino de amor

E boas vindas ao teu habitat

Busca nutrientes do corpo e da alma

Busca ajudar as pessoas

Arrefece memórias sofridas

Do êxodo para lá...

Faz o bem que na mente ressoa

Repetitivamente

Ressuscita teu eu coração, emoção,

Fortalece a fé, os sonhos a esperança,

Escreve versos para ti

E para quem amas...

Apaixonadamente

Flor exótica do Semiárido

Abraça uma causa por convicção

O mundo inteiro é tua causa

Faz a tua solidária opção

Flor apreende o segredo das flores,

Amostra mística do Universo.

Aprende com as flores

Que sorriem sempre...

E volta a ser aquela

Raimunda feliz

De antigamente.

 

                     

Campina Grande-PB, 11 de julho de 2012.

                      De sua Agenda em Campina Grande-PB                      



Hoje fiz uma revisão, lendo os textos da Palavra de Vida e do Jornal Mariápolis. Relembrei o momento em que a Palavra era “O meu alimento é fazer a vontade de Deus” e eu pedia a Deus para que ele deixasse claro qual a sua vontade sobre mim. Porque naquele contexto dos dias das experiências dos voluntários (as), eu senti uma “vozinha” e porque não ser voluntária. É que eu havia falado com o Pe Leonildo que gostaria de colaborar nos trabalhos da Paróquia do Rosário e ele disse procure a Nazaré... Que é de seu campo profissional, ou seja, Assistente Social. (Embora aposentada).

            Ao conversar com Nazaré ela me perguntava você reside aqui? Pode assumir atividades diárias? E aí veio o X do problema. Eu viajo muito, pelo menos por em quanto è o tempo na minha vida... Continuava cuidando de trabalhos pessoais e familiares que eram necessários e que a vida profissional ativa não me permitia realizarem. O certo é que dentro de mim só “Proclamava a Palavra com as pessoas”, as quais encontro é pouco – em grupo - como já havia iniciado antes. Ser o Ideal. Sendo mais objetiva como anos atrás participei de Humanidade Nova. (No Movimento Político pela Unidade).Porém, algumas dificuldades impediram minha participação – o período em que minha mãe veio morar comigo de... A 2001. Uma “experiente” de idade senil – ativa- e depois uma dificuldade de saúde comigo me tornei portadora de CA.

            Tudo passou. E a vida continuava, porém tem de ser vigilante com a minha saúde... Em função dessa vigilância reduzi tudo que é ativismo...

            Em câmera lenta, estou mais calma. Correndo menos, mas tocando as tarefas que o dia a dia da vida exige de mim.

            Hoje é Deus em primeiro lugar, mesmo que para os outros não pareça...

            Sentada num dos bancos do Parque da Criança, diante de uma natureza exuberante, o verde e a paz que encantam a todos se misturava na minha mente com as lembranças da Mariápolis – “O SIM AO AMOR DE DEUS”, como tema (muito parecido com as três últimas Palavras de Vida de Abril, Maio e Junho). Nesta manhã nublada e chuvosa, fria e silenciosa, aqui no Parque, eu pergunto – Glorioso Deus qual a tua vontade para comigo? – preciso do seu “discernimento” com o Espírito Santo.

Como uma bolha em branco eu ouvia aquela voz. Cuida desta gripe... Uma voluntária deve ser entre muitas coisas saudáveis.

Segundo vive a Palavra e depois leva Deus aos outros pela estrada da luz deixada por Chiara e suas companheiras, pela oração e a leitura da verdade como Jesus nos diz...

Terceiro, ser amor como Cristo aos que estiverem ao nosso redor... ”E por esta estrada vai e volte atrás jamais...”.

Vim para casa procurei logo escrever de fato aquilo que veio na alma no Parque. Eram de repente dez horas...

                                                               Terezinha Pinheiro Moreira

                                                           De sua Agenda em Campina Grande-PB


Canção: Brasil...


Brasil teu povo é forte

Como é grande a tua terra, Brasil.

No verde de nossas lindas matas

Cantam passaradas, envolvei os mil.

Queremos com alegria

O prazer e saber cantar

No céu de nossa linda pátria de anil


As nossos praias brancas

Que às ondas vem beijar

Lembram os homens fortes

Que vivem a pescar

Cantar é viver

Morrer pelo Brasil

Para ensinar o povo varonil

Que essa Terra é forte

E há de ser nossa até morrer

Por que nos viu nascer...


Observação:

Estou digitando esta canção ao tempo em que a memória resgata do passado de minha infância, as Aulas de Cantos, disciplina curricular não obrigatória mas contagiante, pela frequência massiva das alunas de todas as séries do turno da manhã.

Era o Colégio Francisca Mendes, fundado por freiras franciscanas, onde estudava interna, no início dos anos da década de 1960, em Catolé do Rocha, no alto sertão da Paraíba, na fronteira do Rio Grande do Norte.

As lembranças que povoam minha memória são boas. Hoje eu compreendo o quanto aprendi naquela época a amar o meu país, a ser cidadã brasileira. A grande musa das canções, a maestrina era uma freira alemã, muito branca, alta, elegante apesar do hábito longo, afilada, de óculos e de voz incomum, Madre Ismolda O.F. aquelas cantos e canções ficaram profundas em meu ser sensível.

Canto ás vezes e as músicas vem a minha mente, às vezes uma, às vezes outra... E eu canto baixinho com o coração para mim mesma, não com saudade, mas com o coração.



Depois de passarmos vários dias em Uiraúna-PB fiz pra ela no seu aniversário. Li pra ela e esqueci-me de passar a limpo. Agora encontrei na sua agenda.


Terezinha querida!

Eleita de virtudes e qualidades vitais.

Rainha de bondade.

Elevada espiritualmente.

Zelosa por cada um (a).

Imagem do Supremo AMOR.

Nada teme porque ama sempre.

Hoje e sempre, no presente.

Amada por todos nós e muito mais por Deus.



Paixão pela vida.

Idealizadora e luz para todos.

Nova sempre porque pode recomeçar.

Humanidade Nova constrói em sua volta.

Elevando as qualidades e dons de cada um.

Indo além de suas forças.

Rega com as palavras.

Orienta com sabedoria.



Mãe da humanidade como Maria.

Onde se encontra.

Robusta a fé e concreta ação.

Enamorada da paz...

Ilumina informando as pessoas.

Raios que transparece a ternura de Deus.

Amiga, irmã e mãe, PARABÈNS!


  

Tela: Terezinha Pinheiro Moreira

Em construção
Tela: Doada ao Museu Interativo do Semiárido
 da Universidade Federal de Campinha Grande -PB


Tela "Seara Vermelha"
Conforme relato escrito pela própria autora o tema Seara Vermelha:
"resume sentimentos deixados pela leitura desse livro. Um depoimento literário sobre o atraso do Nordeste, a opressão, a fome, a exploração de todas as formas do seu povo pobre e marginalizado. Retrata os contrastes da riqueza das elites, a omissão dos políticos, de escritores, de latifundiários e a violência do Cangaço no campo na época de 1918-1929. O sonho de libertação motivou levas de famílias a partirem a pé, a cavalo abrindo veredas no emaranhado de espinhos até às estradas que levavam ao Rio São Francisco. Depois, de barco a vapor... Viagem sem volta para a grande maioria delas. Destino, São Paulo, o Eldorado das imaginações e promessas de enriquecimento...”.






FLOR EXÓTICA DO SEMIÁRIDO



Diversidade de cores

Formosas, vibrantes,

Lindas cativantes

Embora efêmeras flores.

Vento leste, vento oeste,

Sopram todas as criaturas

Como certas são fases da lua

Ora cheia, ora minguante,

Como certas suas venturas

Vive a vida que é tua

Luta aguerrida

Dorme e acorda com a natureza

Plena de sol, energia, beleza,

Nascendo e renascendo vidas

Tua terra canta hino de amor

E boas vindas ao teu habitat

Busca nutrientes do corpo e da alma

Busca ajudar as pessoas

Arrefece memórias sofridas

Do êxodo para lá...

Faz o bem que na mente ressoa

Repetitivamente

Ressuscita teu eu coração, emoção,

Fortalece a fé, os sonhos a esperança,

Escreve versos para ti

E para quem amas...

Apaixonadamente

Flor exótica do Semiárido

Abraça uma causa por convicção

O mundo inteiro é tua causa

Faz a tua solidária opção

Flor apreende o segredo das flores,

Amostra mística do Universo.

Aprende com as flores

Que sorriem sempre...

E volta a ser aquela

Raimunda feliz

De antigamente.



OBS:



Esta poesia representa “minhas boas vindas” à ex-colega, grande colega, Raimunda Ferreira, de volta ao Brasil, depois de quase trinta anos fora do seu país, Terezinha.



  


Este quadro Terezinha me disse que era uma homenagem às flores que minha mãe gostava de desenhar...








No seu ateliê no Valentina Fiqueredo 
Arte: Terezinha Pinheiro
Pintura em azulejo
Terezinha Pinheiro Moreia



Acolhida de "Branco"

 

Neste texto vemos a seu amor pelas pessoas marginalizadas...Terezinha me descreve um encontro com Branco, uma pessoa a quem tentamos ajuda mas morreu vítima da bebida que lhe davam indiscriminadamente.


Eu era menina. Estudava em Sousa-PB. Minha mãe certo dia trouxe uma criança pálida com um grande tumor no rosto. Mas mesmo com aquela grande enfermidade ele sorria... Branco ficou na minha casa até ficar bom, voltou apenas com uma enorme cicatriz.

          Quando meus pais eram vivos, Branco andava muito na nossa casa. Não bebia. Ajudava. Sempre que alguém pedia para fazer algo na pequena cidade, ele estava pronto para servir a todos. Minha mãe tentou ficar com ele definitivamente na nossa casa, mas devido a esse seu jeito de está sempre em vários lugares Branco quis voltar e permaneceu na cidade de Paraná-RN.

                     Tenho seu sorriso estampado na minha alma.

                      Como Terezinha me descreve o seu último encontro com Branco:

                     Eu e o Deaquino esperávamos os pedreiros... (Encontro preparado por Deus), quando Branco, cabeça pelada, sujo, estava limpando um chiqueiro de porco, pediu desculpas, vinha da Unha de Gato( Sítio vizinho), com uma sacola de caju e na maior alegria veio falar com a gente: "Mais meu Deus olha quem está aqui? Deaquino e Terezinha. As pessoas que eu mais quero bem. Já pensou como eu fiquei feliz de ver vocês. E a conversa rolou sobre tudo. De onde vinha. O que fomos fazer. Falou que um dia desses disse a mãe dele que se achava muito velho, como filho, a mãe estava muita mais nova. Mas era isso, ele não conseguia deixar de beber. Que já fizeram muita sacanagem com ele, uma vez deram cachaça com xixi, outra, foi demais deram cachaça com gasolina. Deaquino e eu dissemos muita coisa... Que ele ainda era novo, fosse reduzindo as quantidades, era bonito, que ele fosse a Igreja e pedisse a N. S. P. Socorro para deixar de beber. Ele disse: E posso entrar na Igreja bêbado? Deaquino disse, pode. Pode fale tudo pra Jesus. Tudo que pedir você receberá, e espere um pouco. Sei que sorriu, ficou feliz mais ainda quando Deaquino lhe deu uma ajuda em dinheiro; Deu a mão, agradeceu e saiu rapidinho levar o recado para os pedreiros que a gente estava esperando. Encontrou os pedreiros mas deu o recado e já foi para o calvário. Na mercearia onde foi beber, nem gastou o dinheiro, uns perversos... deram para ele beber de uma vez só, seis copos de cachaça, caiu ali por perto do Posto de gasolina e colocaram-no na área de Antônio de Raimundo e então Branco, viajou para o Paraíso...Pelo menos momentos antes viveu grande sensação de estar entre amigos de verdade, de ser amado e de sentir verdadeira alegria. Soubemos no outro dia do enterro, não fomos avisados. Porém, cada vez que me lembro rezo um Pai-Nosso... e peço para o Pai Eterno acolhê-lo no paraíso onde estar Papai e Mamãe e Maneco seu pai e seus familiares, felizes por encontrá-lo ali. Branco foi serviçal para conosco e para todos... Seus favores são impagáveis...
           Estes foram os últimos momentos que passaram com ele.  
          Branco faz parte daquele número incalculável de pessoas que ficam na marginalidade, vítima de pessoas insensíveis que dão bebida para rir do outro bêbado. Branco não tinha dinheiro, mas não faltava quem lhe pagasse uma bebida. Foram lhe matando aos poucos. Branco foi mais uma vítima do uso indevido do álcool. Ele  faz parte do número infinito de pessoas que acolhidos pelo amor de Deus viverão na plenitude do Seu amor e da felicidade. "Felizes os pobres porque verão a Deus".


                                                      

Escrito por Terezinha na partida de Branco - De Paraná-RN.
Arte: Terezinha Pinheiro Moreira


ENCONTRO DA NOVA CONSCIÊNCIA 2011



Deus tem um plano todo especial para o Encontro da Nova Consciência, em Campina Grande – Paraíba, Brasil, em 2011. Neste Carnaval saí do comodismo pessoal e aqui estou a participar das atividades do grande encontro das diferentes Religiões do Planeta, como sejam os Budista, os Umbandista, os Hare Chystima, os Metodistas, dos povos Indígenas da Paraíba e os Representantes de mais de quinze outras Religiões Orientais e Ocidentais presentes, cujos nomes constam das listas de presenças diárias.

Com minha credulidade de fé e atitude ecumênica, assisti a tudo, a partir das dezoito horas de domingo, 06/03 até o final da Caminhada Ecumênica e Ecológica que teve início às quinze horas da tarde de quarta-feira, 09/03, em volta do canal em frente e ao lado do Sesc Centro, até próximo ao Prédio da FIEP, iniciando pelo lado direito e voltando pelo lado esquerdo, concentrando-nos todos os presentes na praça do contorno bem em frente ao Sesc Centro.

Ali, na praça do contorno, início da Av Floriano Peixoto, as pessoas chegavam da caminhada e se colocavam ao lado uma das outras, no grande círculo, numa atitude de respeito ao evento e aos líderes e Pastores das diversas Religiões presentes. Eles os Representantes, no momento solene, estavam num círculo central menor, em torno de 30, a maioria idosos, experientes, vestidos segundo suas tradições e costumes religiosos, inclusive os Indígenas. A saudação ao Planeta Terra era uma benção solene por cada Líder religioso, num resumo filosófico do seu movimento, invocando os poderes do Deus criador sobre a Mãe Terra. Nós os cidadãos do mundo presentes, acompanhávamos contritos, a fala dos líderes religiosos e a cada intervalo, cantávamos, dançávamos e pisávamos carinhosamente o solo que abrigava todos os povos e todas as religiões aos ritmos de tambores, violões, de palmas, de sentimentos solidários e de grande Unidade ao afinal do grande Encontro das diferentes Religiões, das diferentes formas e pelo mesmo caminho nos levavam ao mesmo Deus todo poderoso e Senhor do Universo.

Outra coisa do Encontro da NC é que ao encerrar, procurei aculturar um compromisso comigo mesma e com Ele o grande criador: pensar, viver e falar somente os positivos das atitudes interiores. Nova disposição psicofísica para caminhar, ler, escrever, sistematizar e viver a minha fé cristã amando mais os irmãos e irmãs ao meu redor, ao tempo em que serei mais participante dos eventos de minha Religião Católica. Prestar um serviço na Igreja do bairro em que eu resido é a meta. Proclamar a Palavra de Jesus em todas as ocasiões, ajudando de alguma forma a quem estiver precisando próximo a mim. Em fim o novo compromisso com a prática do viver quotidiano em todos os aspectos em defasa da Mãe Terra.


Descrever as impressões sobre o primeiro dia é muito importante. Sobre os recém-chegados participantes homens, mulheres e jovens, palestrantes, artesãs e artesãos de diferentes países, povos, raças, línguas, culturas, religiões, ali juntos, no recinto do SESC Centro, armando suas gôndolas, suas prateleiras de vendas, visivelmente cansados de suas longas viagens, porém felizes muito mais pelos reencontros pessoais do que pelas expectativas de vendas de suas mercadorias. Seus diferentes tipos de produtos e modelos orientais são marcantes no modo de vestir de seus líderes e seguidores como roupas femininas, vestidos, saias, blusas, essências, incensos, calças indianas, brincos, colares, adornos para cabeça, pescoço, e, principalmente muitos livros sobre as diferentes ideologias religiosas presentes, revistas, muitas essências e incensos a queimar, uma grande heterogeneidade de pessoas, de perfis, de rostos, de falas baixinhas diferentes a inteirar-se sobre os programas do evento, o Vigésimo quarto Encontro da Nova Consciência.
                                                         Terezinha Pinheiro Moreira
                                                          Campina Grande -PB



Arte: Terezinha Pinheiro Moreira


                                                              Sintonia nordestina
                                                              Terezinha, agenda 1995

Terezinha acompanhava e participava dando o seu contributo para esta ONG paraibana:
                                                                   PATAC.

Para Marilen - PATAC:

Ela estava em Uiraúna- PB e escreveu sobre uma das reuniões do PATAC:

Pátio do PATAC -20/12/1994 (Às 16h30min). Intercalo para cafezinho...

Sentia a harmonia da natureza e do coração coletivo.

Respirando, agradecia a Deus, entre outras coisas, por ocuparmos este espaço, desafiando todos os limites.

Oferecia o concreto e o abstrato do grupo. Os sonhos. As tarefas cumpridas. As dificuldades, não somente do Projeto Água Fonte de Vida, mas do cotidiano de nossas vidas...              

A crucifixão desta luta, desta morte presente... “O dom de nós mesmos transformados N’ELE...

E Deus parecia responder na tarde singela. Entre árvores, pássaros e sentimentos cruzados com raios de luz, brilhantes, vespertinos, castanhos...

Encontro de cores do sol, da terra e das almas, de ações somadas... Capazes de mudar o fundo de dominação desta história:

De dores de amores. Tudo que é vida e Ressureição... Em cada eu particular daquele que somos PATAC.

                        Terezinha Pinheiro Moreira
                                   


Foto: conceição Pinheiro

Aprende com as flores que sorriem sempre.
Terezinha Pinheiro Moreira

Hoje quando pronunciava as palavras do “Pai Nosso”:

“Seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu” entendi de maneira nova que a vontade de Deus deve ser feita não só aqui na terra, mas no céu também.

Sim. Nesse momento o céu precisava da presença de minha irmã Terezinha Pinheiro.

A sua corrida acelerada em servir, em fazer, em doar, em desapegar-se dos bens, em planejar aproveitando cada momento de seu dia, certamente servirá para aumentar o círculo de luz e de vida no mundo, que brotou do estilo próprio de Jesus que se deixou consumar para doar-nos VIDA! E que Vida!

Outro dia estudando um texto de teologia onde o assunto era justiça este afirmava que a justiça de Deus para com Jesus era proporcionar sua volta ao Pai. Porém, Deus foi maravilhoso, pois não só proporcionou a volta de Jesus ao Pai, mas deixou para todos os homens a luz que Seu Filho gerou doando Sua vida: seu próprio Espírito vivo, ressuscitado para todos os homens que vivem como ELE viveu: no amor.

Que cada dia eu possa contribuir para que minha vida aqui na terra seja o reflexo desta Vida do céu. Para que o céu seja pleno desta presença potente que me eleva quando transformo o meu querer no Seu... O que poderia ser desespero em esperança, o que poderia ser treva, luz. Basta-me viver com a Sua divina presença, Jesus. E tudo se faz... E tudo me convida a crer que a justiça para minha irmã é o convívio com o ETERNO, com a VIDA QUE NÃO TEM FIM... Que presente maior Jesus poderia nos dar?

Viver agora o "momento presente" entre o céu e a terra, contando e colhendo os meus atos de amor que sobem como balões coloridos enfeitando o céu dos meus dias. E assim, a dor , que como o gelo encontrando o calor se desfaz , eu me encontro em Ti, Jesus ressuscitado, máxima explicação de todas as dores!

Jesus que também foi abandonado pelo próprio Deus, mas que o fez retornar a Si mesmo, no mistério da TRINDADE, explicação somente de possibilitar-nos ao convívio inexprimível da presenta de Deus conosco: Espírito Santo, reis dos amores, Rei da justiça que é Vida sobre a morte.
Sua mana: Maria da Conceição Pinheiro Moreira
                                   
                                                                       ******
Escute música ou desligue!