Hoje, sete de setembro de 2017, aniversário da minha irmã que se encontra no paraíso. O que lembrar ela neste dia?
          E a resposta veio dela própria. “O amor á “Palavra” e a vivência da mesma. No seu último ano procurou se aproximar mais fez um curso de aprofundamento sobre a Bíblia. E como participava Movimento dos Focolares tinha um caderninho que se fez chegar a minhas mãos com surpresa onde ela tinha anotado o nome das pessoas que ela entregava a “PALAVRA DE VIDA” todo mês:
       “Jesus Ressuscitado, por favor, habita meu ser, coração, mente, para que eu saiba viver proclamar o teu amor, tua comunicação, fraternidade e justiça”.
      Sim, Terezinha, recomeço também eu agora a viver, a colocar a “Palavra de Deus” no minha vida. È o que você me propões hoje...
       Nada melhor também que relê um cartão escrito por ela que é vida...

Tradução da letra de Terezinha:
 Campina Grande 30/07/1982
Maria:
A unidade é uma vida nova para nós daqui para frente.
Nunca havia me percebido da grandeza de Deus.
Campina Grande 30/07/1982.
Nunca havia refletido nem avaliado o grande amor de Deus para comigo, nem imaginado sobre o sentido dessa expressão:
“Como Eu vos tenho amado assim também vós amai-vos mutuamente.”
Esse “como” foi e continua sendo a mais difícil, mas a mais revolucionária das tentativas a todo instante e em qualquer lugar onde estou, vem o desafio “como Ele”! As ações e atitudes pessoais são esvaziadas, quando o como está presente. E se Maria também se esvaziou de si mesma, o mesmo aconteceu a Chiara para descobrir a unidade com tanta gente...
         Minha alegria é que “há algo” em tudo e em todos nós que pode ser vivido com amor infinito e universal, por “ELE”, é Maria, Mãe de todas as criaturas.
         Sua Mana, 
                      Terezinha.

Vida

              
                   

                                                           
            Terezinha Pinheiro Moreira nasceu na divisa entre os estados da Paraíba e Rio grande do Norte. Natural de Uiraúna- PB porque a cidade de Paraná-RN tem ruas que pertencem ao estado da Paraíba e Rio Grande do Norte. Nossa casa localizava-se na rua que pertence á Paraíba.
            Estudou quando criança em Uiraúna-PB, no Grupo Escolar Jovelina Gomes e aos treze anos interna no  Colégio Francisca Mentes, Catolé do Rocha-PB. Estudou direito na Faculdade de Sousa -PB porém deixou curso para se formar como Assistente Social, na Universidade Federal DE Campina Grande-PB.
  
                                             

                                                     
  







           Ao referir-se ao Colégio Francisca Mendes  ela mesma o descreve:  


          Era o Colégio Francisca Mendes, fundado por freiras franciscanas, onde estudava interna, no início dos anos da década de 1960, em Catolé do Rocha-PB, no alto sertão da Paraíba, na fronteira do Rio Grande do Norte.


          As aulas de Cantos, disciplina curricular não obrigatória, mas contagiante, pela frequência massiva das alunas de todas as séries do turno da manhã. As lembranças que povoam minha memória são boas. Hoje eu compreendo o quanto aprendi naquela época a amar o meu país, a ser cidadã brasileira. A grande musa das canções, a maestrina era uma freira alemã, muito branca, alta, elegante apesar do hábito longo, afilada, de óculos e de voz incomum, Madre Ismolda O.F. Aquelas canções ficaram profundas em meu ser sensível.

          Geralmente elas vêm a minha mente, às vezes uma, às vezes outra... E eu canto baixinho com coração para mim mesma, não com saudade, mas com o coração.